Estudantes levam energia elétrica para comunidade isolada no Amazonas

Projeto estuda hábitos de consumo de energia em comunidade isolada.Projeto estuda hábitos de consumo de energia em comunidade isolada.

Sandra Siqueira
Equipe Ascom Ufam

 

Alunos do curso de Engenharia Elétrica (Eletrotécnica) instalaram no início do mês de junho sistemas de energia solar na comunidade Nova Esperança, distante cerca de 2h de lancha de Manaus. A iniciativa faz parte de projeto de pesquisa sobre hábitos de consumo da população.

Coordenados pelo professor do Departamento de Eletricidade, Alessandro Trindade, os estudantes Nei Júnior, Lucas Pinheiro e Augusto Silva participam do projeto de pesquisa, financiado pelo Fundo Newton do Reino Unido, que tem a Universidade Federal do Amazonas como executor principal e como parceiros a Fundação Amazonas Sustentável (FAS), a Coventry University, a Scene, e a Schneider Electric.

Entre os dias 5 e 8 deste mês, a equipe do projeto realizou a instalação de quatro sistemas solares fotovoltaicos de 700W e com autonomia de 48h com o uso de baterias, na comunidade Nova Esperança. “Busca-se investigar os hábitos de consumo de energia da comunidade que é indígena e faz parte da Área de Proteção Ambiental do Rio Negro. Conhecer os hábitos das pessoas é importante para identificar o antes e o depois de se colocar energia 24h”, informa o professor Alessandro Trindade.

Em cada uma das quatro casas beneficiadas, além dos equipamentos, foram instalados dispositivos de coleta de dados da geração de energia, estado da carga das baterias, consumo de eletroeletrônicos, tudo interligado em um microcontrolador Raspberry Pi 3 e memória USB para armazenagem de todas as informações, minuto a minuto. 

Estudantes aprendem na prática sobre sistemas solares fotovoltaicos. Estudantes aprendem na prática sobre sistemas solares fotovoltaicos.

“O projeto só prevê quatro casas, pois tínhamos apenas 15 mil libras para despesas de capital. Mas estamos montando outros projetos em editais internacionais para tentar expandir o projeto. Vamos buscar recurso fora do Brasil, pois, por incrível que pareça, é mais fácil do que no Brasil e tem mais disponibilidade também”, revela o coordenador.

Nos próximos nove meses, a equipe, que conta ainda com outros cinco alunos de Engenharia Elétrica, realizará visitas de acompanhamento e para coleta das informações armazenadas na memória do sistema de monitoramento.

Segundo o coordenador, a experiência beneficia também os estudantes, com a oportunidade de aprimorar o trabalho em equipe, conhecer a importância do trabalho assistencial, do projeto de sistemas solares, sobre como funcionam sistemas de monitoramento de dados, e aprender a instalar sistemas solares.

Ao final do projeto, os sistemas solares serão doados para a comunidade.