'Seminário Amazonense de Atividades Motoras Adaptadas' discute inclusão de pessoas com deficiência na escola por meio da Educação Física

Por Juscelino Simões
Equipe Ascom 

O Programa de Atividades Motoras para Deficientes (Proamde) realizou nesta quarta-feira, 7, a abertura do Seminário Amazonense de Atividades Motoras Adaptadas (SAAMA/2018) com o tema 'Educação Física: instrumento eficaz para a inclusão', no auditório Eulálio Chaves, no setor Sul do Campus. O evento ocorre até a sexta-feira, dia 9, nas dependências da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia (FEFF).  

A sétima edição do Seminário tem como objetivo proporcionar a discussão acerca da inclusão de pessoas com deficiência por meio da prática da Educação Física na escola e em diversos ambientes possíveis, e, assim, disseminar o conhecimento científico sobre o tema por meio de apresentações de experiências práticas e de investigações científicas das possibilidades de inclusão desta clientela.

A inclusão de pessoas com deficiência por meio da prática de atividades físicas nos diversos espaços de lazer, esporte, academias será abordado e discutido por meio de conferência, palestra, mesas-redondas e cursos. O público-alvo são profissionais e acadêmicos de educação física e áreas afins que atuam nesses espaços.

A mesa de abertura contou com a participação do reitor da Universidade Federal do Amazonas, professor Sylvio Puga, do diretor da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia (Feff), professor João Libardoni dos Santos, da coordenadora do Programa de Atividades Motoras para Deficientes (Proamde), professora Minerva Amorim e a professora da FEFF, Kathya Thomé.

A coordenadora do Proamde e do evento, professora Minerva Amorim, destacou que o SAAMA tem como proposta discutir o tema da inclusão no ambiente escolar e refletir sobre a prática dos profissionais da Educação Física com esse público. “O nosso objetivo é a discussão sobre a Educação Física inclusiva. Percebemos que hoje o aluno com deficiência não é atendido como deveria nas aulas de Educação Física nas escolas, apesar da legislação ser bastante divulgada. A prática não condiz com a legislação. Mas temos que ter estratégias para trabalhar com este público. Os três dias do evento vão trabalhar, por meio dos cursos oferecidos, estratégias para serem utilizadas na escola”, afirmou a coordenadora do Proamde.

A estudante do 4º período do curso de Educação Física/Licenciatura da Ufam, Gabriela de Arruda Cardoso Vieira, disse da importância do Seminário para a formação de professores de Educação Física com uma nova concepção acerca da inclusão de alunos com deficiência. “É importante que o professor de Educação Física conheça todos os seus alunos. O evento discute questões que muitas vezes não são detectados por muitos profissionais no dia a dia com relação a estudantes com deficiência. O SAAMA aproxima o professor desses alunos e que são muitas vezes negligenciados por falta de conhecimento do profissional de como trabalhar com eles”, destacou a estudante.