Bloco da Faculdade de Informação e Comunicação é inaugurado

Ex-reitor e professor de Jornalismo Walmir Albuquerque prestou homenagem a Erasmo LinharesEx-reitor e professor de Jornalismo Walmir Albuquerque prestou homenagem a Erasmo LinharesPor Juscelino Simões
Equipe Ascom

A Administração Superior da Universidade Federal do Amazonas realizou nesta sexta-feira, às 11h, a inauguração do Bloco Erasmo do Amaral Linhares, da Faculdade de Informação e Comunicação (FIC). O novo espaço será utilizado pelos cursos de Biblioteconomia, Jornalismo, Relações Públicas e Arquivologia e mais o Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação.

A solenidade de descerramento da placa de inauguração teve a participação do reitor da Universidade Federal do Amazonas, Sylvio Mário Puga Ferreira, do ministro da Educação Rossieli Soares, do secretário de Educação do Estado do Amazonas, Gedeão Amorim, da prefeita do Campus da Ufam, Carmem Silvia Viana, do diretor da FIC, Allan Soljenítsin, do ex-reitor da Ufam, Walmir Albuquerque e da esposa do professor do curso de Jornalismo Erasmo do Amaral Linhares (falecido), que deu o nome ao bloco, Dinah Martins Linhares.   

O bloco irá abrigar sete salas de aula, seis laboratórios, uma sala de projeção, 22 salas de professores, secretaria e sala de reunião, além de quatro salas de coordenação de cursos de graduação, uma hemeroteca, salas para grupos de pesquisa e arquivo. Todos esses espaços foram denominados com nomes de ex-professores e personalidades históricas já falecidas.  

Os cursos de graduação em Jornalismo, Biblioteconomia, Relações Públicas e Arquivologia e o Programa de Pós-graduação em Ciências da Comunicação estavam funcionando no Instituto de Filosofia, Ciências Humanas e Sociais (IFCHS), e passam a ocupar o espaço próprio.

A Faculdade de Informação e Comunicação foi criada pelo Conselho Universitário no dia 23 de fevereiro de 2017 e iniciou suas atividades no dia 13 de março do mesmo ano, com a publicação da Resolução 005/2017 no Consuni.

”A nova estrutura representa a materialização de um sonho da comunidade acadêmica da FIC, que agora terão toda uma condição adequada, com salas de aula, salas de professores, laboratórios, toda uma estrutura, para a realização das atividades de ensino, pesquisa e extensão. Deste ponto de vista nós conseguimos um grande avanço para que a FIC possa, nas avaliações futuras do MEC, seja no âmbito da graduação ou dos seus cursos de pós-graduação, tenha uma avaliação positiva na medida em que o item infraestrutura é um item importante na avaliação”, destacou o reitor da Ufam, Sylvio Mário Puga Ferreira.

O diretor da FIC, Allan Rodrigues, afirmou que a entrega do prédio é resultado da luta e da dedicação de vários professores, servidores e estudantes que desde 2012 tem se esmerado em conseguir que a obra fosse entregue. “A entrega do prédio é resultado da luta e da dedicação de professores, servidores e estudantes que se empenharam em conseguir que a obra fosse entregue. Há gerações que passaram pelo curso de Comunicação que não tiveram o espaço apropriado para fazer a prática do que aprendiam teoricamente na sala de aula. Sempre havia a referência há esse dia como algo inalcançável, mas finalmente ele chegou. Sempre fomos criticados pela falta de espaço adequado para a prática no curso de Jornalismo. Estamos pagando essa dívida histórica com gerações que passaram e com os novos estudantes”, afirmou o diretor.

A professora Ivânia Vieira do curso de Jornalismo da Ufam, disse que cada vez que um prédio é inaugurado, estamos dando também concretudes a vários processos de luta de pessoas anônimas e de pessoas mais públicas e, está embalada por sonhos de melhorias das condições de ensino, trabalho, pesquisa e de extensão. “Cada vez que inauguramos um prédio estamos dando também concretudes a vários processos de luta de pessoas anônimas e de pessoas mais públicas na busca de melhorar as condições de trabalho, pesquisa, extensão e ensino. Esse prédio abriga todo esse sentimento de melhoria. Outro dado importante é o da integração. Uma Faculdade que reúne quatro cursos precisa desenvolver um processo de parceria. Temos um desafio nesse processo de integração”, destacou Ivânia Vieira.

O ministro da Educação, Rossieli Soares, enalteceu a contribuição do ex-ministro da Educação Mendonça Filho que liberou os recursos em 2016 para construção do prédio da FIC e que estava encerrando a agenda em Manaus, que é a cidade que o acolheu, em um compromisso beneficiando uma das mais importantes instituições no Estado. “Agradeço a contribuição do ex-ministro da Educação, Mendonça Filho, na liberação de recursos para a construção do prédio da FIC. Estou encerrando a agenda de minha administração no Ministério em Manaus, porque foi à cidade que me acolheu, em um compromisso que beneficia uma das mais importantes instituições no Estado”, disse o Rossieli Soares.

A estudante do 3º período do curso de Jornalismo da FIC, Ana Beatriz Fonseca, disse estar feliz com a nova estrutura e que o espaço vai melhorar a nossa formação. “Estou feliz pela nova estrutura que vamos utilizar em nossa formação. É um espaço importante pro estudante desenvolver a parte prática no curso”, disse a estudante.

Já a estudante Luana Cunha do curso de Relações Públicas da FIC, afirmou que estava ansiosa pela entrega do prédio porque a estrutura vai melhorar o ensino. “Estava ansiosa para a entrega do espaço. Agora vamos ter toda uma estrutura adequada para o ensino”, afirmou Luana Cunha.       

Homenagens

O nome do bloco faz menção ao professor Erasmo do Amaral Linhares que atuou no curso de Jornalismo da Ufam. Natural do município de Coari, falecido em 16 de outubro de 1999, ele se graduou em Jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e foi professor do curso de Jornalismo. Jornalista e escritor, seus primeiros textos foram publicados nos jornais estudantis, ainda no ginásio. Foi diretor da Rádio Rio Mar durante anos, escrevendo diariamente crônicas radiofônicas apresentadas com temas da atualidade, de natureza política, social ou econômica. Foi contista, autor de obras como “O Tocador de charamela” e “O navio e outras estórias”. Integrou o movimento literário “clube da madrugada” e foi membro da Academia Amazonense de Letras.

Os espaços do Bloco Erasmo Linhares homenageiam os seguintes pro