"Jubileu de Ouro": Curso de Jornalismo da Ufam recebe homenagem na ALE-AM

 
Por Ana Carla Santos
Equipe Ascom/Ufam
 

A celebração dos 50 anos do curso de Jornalismo da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) foi a tônica da Sessão Especial que ocorreu na manhã desta segunda-feira (8), na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam). A atividade, fruto de propositura da vice-presidente da Casa, deputada estadual Alessandra Campêlo, teve a presença do reitor da Ufam, professor Sylvio Puga, do diretor da Faculdade de Informação e Comunicação (FIC), professor Allan Rodrigues, representantes docentes e discente, bem como de gestores das esferas estadual e municipal.  

Em seu pronunciamento, a propositora da homenagem destacou o pioneirismo da Ufam, a primeira universidade do Estado e da Amazônia a formar jornalistas para o mercado de trabalho na região. “Depois vieram as universidades particulares, o que democratizou o acesso ensino superior. Mas, durante muitos anos foi só o nosso curso que formou jornalistas não só para o Amazonas, mas para outros Estados”, observou. 

Fazendo menção a sua ligação afetiva com a Universidade, onde cursou Jornalismoa parlamentar dispôs do seu mandato para colaborar com o curso por meio de emendas impositivas a serem aproveitadas conforme a necessidade.

Função social do Jornalismo

O diretor da Faculdade de Informação e Comunicação, professor Allan Barreto Rodrigues, discorreu sobre o papel social do Jornalismo e dos jornalistas na Democracia. “A primeira coisa que devemos entender é que Jornalismo é algo diferente de jornal. Os jornais são empresas jornalísticas que consideram a notícia um produto e seus fins visam o lucro. O Jornalismo é algo diferente, ele pertence ao campo dos valores e integra o universo da Cultura como espaço público dos discursos sociais conflitantes”, disse.

Citando um texto do professor e teórico da Comunicação José Marques de Melo, que considera que a qualidade da imprensa e do Jornalismo são indicadores do estágio civilizatório de qualquer sociedade. “Dentro dos regimes democráticos, a prática jornalística assumiu o conceito de serviço público, cabendo a ela fornecer aos cidadãos as informações necessárias ao exercício da cidadania. Os jornalistas devem atuar como um elo indispensável entre a opinião pública e as instituições governamentais”, prosseguiu o professor.

Para finalizar a série de manifestações pelos festejos dos 50 anos da graduação em Jornalismo da Ufam, o reitor, professor Sylvio Puga, rememorou de forma breve a história da criação do curso, que acompanha o início da nova era econômica do Estado a partir da implantação do Polo Industrial de Manaus. "Dois anos depois da criação do PIM, o curso surgiu para atender às expectativas e necessidades da sociedade à época e hoje, o curso se fortalece ainda mais: integra uma nova estrutura administrativa, que é a do Instituto de Filosofia, Ciências Humanas e Sociais (IFCHS) e funciona num novo prédio. O investimento em capital humano e nessas estruturas visam à teoria e a prática que precisam avançar  mais alinhadas à tecnologia", frisou o professor Sylvio Puga.   

Professores homenageados

Durante a sessão especial foram homenageados com diplomas de Honra ao Mérito professores do quadro de servidores do Curso de Comunicação da Ufam, entre eles Antônio José Valle da Costa, o “Tom Zé”, Carlos Alberto Corrêa Dias, o “Carlão”; Evandro Catanhede de Oliveira e João Bosco Ferreira

Mesa

Participaram da solenidade as seguintes autoridades: Cleto Cavalcante de Souza Leal, vice-reitor da UEA; Sylvio Puga, reitor da Ufam; Allan Barreto Rodrigues, diretor da Faculdade de Comunicação da Ufam; João Bosco Ferreira, coordenador do Curso de Jornalismo da Ufam; Dora Tupinambá, presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Amazonas; Ana Célia Ossame, diretora adjunta da Diretoria de Comunicação da Defensoria Pública do Amazonas (DPE-AM); e Eric Gamboa, secretário municipal de Comunicação.