Parceria entre Ufam e Associação Brasil Soka busca preservar o ambiente amazônico

Ações serão aplicadas no município de Humaitá.Ações serão aplicadas no município de Humaitá.Em reunião com o reitor Sylvio Puga, os representantes da Associação Brasil Soka Gakkai Internacional (BSGI) apresentaram planos para consolidar a parceria entre as instituições. A ideia é que o campus de Humaitá concentre as ações voltadas para o desenvolvimento sustentável. Encontro ocorreu na manhã de segunda-feira, 04, no gabinete da Reitoria.

Iniciada ainda durante a gestão da reitora Márcia Perales, a parceria entre a representante brasileira da organização não governamental japonesa Soka Gakkai Internacional (SGI) visa desenvolver iniciativas que vão desde a esfera acadêmica com intercâmbio entre universidades a projetos de cunho ambiental, como o que será desenvolvido em Humaitá.

No encontro, os gestores discutiram as propostas a serem desenvolvidas conjuntamente. De acordo com o presidente da BSGI, Miguel Shiratori, o objetivo principal das ações da associação é a preservação ambiental a partir da educação. “Nosso trabalho não se limita a fazer projetos, mas dialogarmos e criarmos essa rede de solidariedade de pessoas que possam contribuir para esse desenvolvimento. Temos várias parcerias com instituições e empresas com foco em um trabalho sustentável aqui na Amazônia”, disse. “O nosso objetivo é a conscientização. É mostrar que toda essa natureza pode ser preservada, mantida, para as gerações futuras, se cada cidadão se conscientizar desse valor”, expôs.

O município de Humaitá foi escolhido para ser o primeiro a receber as ações do convênio tendo o Instituto de Educação, Agricultura e Meio Ambiente e o curso de engenharia ambiental como reduto de atuação. “Todo esse patrimônio genético, florestal tem de estar a serviço da sociedade. Não numa condição de subserviência, mas de elevação das próprias consciências sobre o que é o meio ambiente, sobre como utilizá-lo de forma sustentável. Agora é a hora de buscarmos fazer com que ações efetivas sejam firmadas no sentido de que a gente possa dar visibilidade a essa parceria”, declarou o reitor Sylvio Puga. “Em Humaitá, temos o curso de engenharia ambiental, então, temos atores que são formados localmente para dar essa resposta à sociedade”, complementou. “As portas da Ufam estão abertas e que o que pudermos fazer para alavancar essa parceria, com a liderança da Proext, estamos à disposição”, afirmou.

Parceria visa também intercâmbio acadêmico.Parceria visa também intercâmbio acadêmico.“Ficamos muito felizes com a parceria da Universidade e vamos nos esforçar ao máximo para que, junto com a Universidade Federal do Amazonas, possamos fazer um trabalho que se torne referencia global”, respondeu o presidente da BSGI, Miguel Shiratori.

Segundo o pró-reitor de Extensão, professor Ricardo Bessa, uma das iniciativas a serem implantadas em Humaitá é a criação de um banco de sementes para arborizar o município. “Estamos em conversa. Vamos primeiro organizar um grande seminário em Humaitá sobre o desenvolvimento da cidade autossustentável. A ideia é transformar Humaitá na capital ambiental da Amazônia. É a nossa proposta, que a Fundação Soka abraçou. Será nossa parceira na solução do problema do lixo que está impedindo o funcionamento do aeroporto. Vamos criar um banco de sementes para que a gente possa melhorar a qualidade de vida e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) naquela cidade e de lá expandir para outras. Pretendemos fazer de lá o plano piloto”, contou o pró-reitor.  “Com essa parceria com o Japão a Universidade mostra que está cada vez mais aberta para o mundo”, finalizou.