Ufam tem doutorado em Engenharia Elétrica aprovado pela Capes

Imagem retirada da página do PPG em Engenharia Elétrica da UfamImagem retirada da página do PPG em Engenharia Elétrica da UfamSão previstas em torno de dez vagas para a primeira turma, cuja seleção será em 2019

Por Cristiane Souza
Equipe Ascom Ufam

Uma importante conquista da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) neste ano de 2018 foi ter o curso de Doutorado em Engenharia Elétrica aprovado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) na 182ª reunião do Conselho Técnico-Científico da Educação Superior (CTC-ES), ocorrida entre 12 e 14 de dezembro. Com isso, a região Norte acumula dois doutorados na área, sendo o outro ofertado no Pará.

O novo curso será abrigado no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica da Faculdade de Tecnologia (PPGEE-FT), tendo como coordenador e vice os professores Vicente Ferreira de Lucena Júnior e João Edgar Chaves Filho, respectivamente. Ao todo, dez professores doutores fazem parte do quadro permanente do PPG e outros dois atuam como colaborador e visitante no Mestrado. Agora, a expectativa é de que sejam ofertadas cerca de dez vagas já na primeira seleção, cuja turma deve iniciar no segundo semestre de 2019.

Coordenador do PPGEE desde 2015, o professor Vicente Júnior é lotado na FT desde 1991 e faz parte do grupo dos responsáveis pela criação do Mestrado em Engenharia Elétrica, além de ter conduzido a proposta de doutorado. “Atuo na graduação nos cursos de Engenharia Elétrica e Engenharia da Computação (ambos da FT) e no PPGEE e no PPGI”, enfatiza o decano.

Professor Vicente Júnior coordena o PPGProfessor Vicente Júnior coordena o PPGFruto de um esforço coletivo de docentes e pós-graduandos, cuja produtividade também é considerada, é que veio a aprovação. Com “um passo de cada vez” é que o novo curso conseguirá se consolidar no âmbito da pós-graduação em Exatas no Norte do País. Daqui para frente, o foco é investir na qualidade do trabalho ao produzir documentos de boa qualidade. “O crescimento da produção dos mais novos foi decisivo. Seria difícil aprovar uma proposta de doutorado num programa onde todos não colaborem com a produção qualificada em revistas”, salienta o professor Cícero Costa Filho, que já foi vice-coordenador do Programa.

O pesquisador veterano faz questão de ponderar que, no início, o ritmo tende a ser mais lento, especialmente porque tudo é novidade. “Só com o tempo, o Programa terá a capacidade de absorver a demanda reprimida que exista na região por novos doutores em Engenharia Elétrica. Essa demanda é resultado de muitos anos formando apenas mestres no PPGEE da nossa Universidade, bem como de iniciativas isoladas de mestrados interinstitucionais, promovidos em parceria com outras instituições”, avalia.

Trajetória

O professor Cícero é o diretor do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologia Eletrônica e da Informação (Ceteli), prédio que abriga as atividades do Mestrado. Ele se recorda satisfeito da trajetória do PPPGEE. “O curso de Mestrado data de 2005. No início, o núcleo era constituído por apenas quatro professores. A partir de 2013, com a chegada de novos professores, iniciou-se um esforço para subir a nota do curso de três para quatro e, depois, encaminhar uma proposta de doutorado para a Capes”, relata o docente.

Segundo informa o professor Cícero Costa, a nota atribuída Mestrado na avaliação relativa ao quadriênio 2013-1016 foi quatro, o que deu ânimo para que a equipe estruturasse e submetesse o projeto para Aplicativos de Propostas de Cursos Novos (APCN) ora aprovado. “Houve um esforço coletivo em vário sentidos, visando à otimização dos diversos índices que compõem a avaliação da Capes”, afirma o professor.

“Após este resultado decidimos submeter uma proposta de doutorado e conseguimos aprovar o mesmo na primeira tentativa. Não é possível nominar uma pessoa em particular como responsável, o resultado foi fruto do trabalho coletivo dos docentes permanentes do PPGEE, a coordenação atual composta por mim, pelo professor João Edgar Chaves Filho (vice-coordenador) e pelos dois outros membros Cícero Costa Filho e Marly Costa tem a honra de aprovar o doutorado na nossa gestão”, diz o coordenador do PPG, professor Vicente Júnior.

Para proceder com a aprovação, foi necessário reduzir o tempo de defesa dos mestrandos, distribuir as orientações de forma mais equitativa, extrair de uma ou mais dissertações publicações para revistas, melhorar o preenchimento do Coleta Capes (na Plataforma Sucupira), adequar os objetivos aos instrumentos de avaliação, entre outras providências. A proposta foi aprovada com o número mínimo de doutores, outro ponto que precisa de ainda mais atenção nos próximos períodos avaliativos.

O principal requisito antes de submeter uma APCN de doutorado, na área intitulada ‘Engenharia IV’, na qual concorrem propostas de cursos de pós-graduação em Engenharia Elétrica, é alcançar um nível mínimo de excelência na produção científica e publicação em periódicos. De acordo com o diretor do Ceteli, dizer que esse índice é regular significa que há 0,55 de publicação na distribuição entre os docentes do quadro permanente do Programa.