Obras do Campus II da Unidade Acadêmica da Ufam em Coari avançam

O Bloco I é dividido em quatro pavimentos e em mais de 90 recintos que serão destinados às atividades acadêmicas e administrativas dos cursos da área de Saúde do ISB

Bloco Multidisciplinar da Saúde já está na fase de colocação de piso e janelasBloco Multidisciplinar da Saúde já está na fase de colocação de piso e janelasAs obras do Campus II do Instituto de Saúde e Biotecnologia de Coari (ISB) já estão mais de 50% executadas. O terreno onde é erguido o Bloco Multidisciplinar da Saúde tem área total de 26,5 mil metros quadrados, sendo que o primeiro edifício possui quatro pavimentos distribuídos em mais de quatro mil metros quadrados.

A Ufam entregará também estacionamento com quase 200 vagas, reservatório de água (com dois poços), subestação de energia elétrica, guarita e Estação de Tratamento de Efluentes (ETE). Um termo aditivo ao contrato inicial previu, ainda, a construção de um muro no perímetro.

Segundo o reitor da Ufam, professor Sylvio Puga, o avanço no cronograma das obras é garantia de que os cursos da unidade acadêmica do ISB vêm se fortalecendo. "Temos trabalhado a partir da implementação de políticas afirmativas, não apenas no âmbito acadêmico, estudantil ou de infraestrutura da unidade. Cada avanço representa um novo momento para o Instituto", salientou o reitor. 

Conforme o diretor da Unidade Acadêmica, professor Josemar Gurgel, a construção do prédio já está bastante adiantada. “Em relação a este bloco, ele está na fase de colocação de pisos e de janelas, e toda a parte estrutural já está acabada”, informa.

A princípio, o local é destinado às atividades do curso de Medicina, no entanto, os espaços serão compartilhados com os demais cursos da Saúde. “A ideia é albergar também os cursos de Enfermagem e de Fisioterapia, tornando esse um espaço de integração multidisciplinar, em especial por serem atividades conectadas”, ressalta o gestor do ISB.

De acordo com o fiscal da obra, engenheiro civil Manassés Ibernon, que atua em parceria com a também engenheira civil Ana Carolina Lira, 50,96% dos serviços totais já foram executados. “De início, está sendo construído este primeiro bloco para a Faculdade de Medicina, mas o Campus poderá ter mais três blocos”, diz o responsável técnico. A previsão é de que sejam erguidos prédios para Anatomia, Biotério e Manutenção.

Metas

A execução teve início em janeiro de 2017 e o prazo para de entrega é dezembro deste ano. “Considerando o contexto de crise que se vive no Brasil, com reflexos na construção civil, particularmente no interior do Amazonas, podemos dizer que o andamento é satisfatório sim”, avalia o engenheiro, ao justificar a necessidade de dilatação do prazo inicial por motivos externos.

Superadas as adversidades geradas pela economia nacional, o responsável técnico afirma que “a entrega do Bloco I – inaugurando o Campus II do ISB – será um grande feito para o Instituto, para a Universidade e, principalmente, um ganho enorme para o município”. O investimento global supera R$ 6 milhões, dos quais já foram aplicados mais de R$ 3 milhões e ainda serão investidos outros R$ 3 milhões até a conclusão desta primeira fase do Campus II.

O professor Josemar Gurgel destaca que está em análise pela Câmara Municipal de Coari um projeto que prevê a construção de uma Clínica-Escola integrada a uma UBS Modelo. A parceria com a Prefeitura deverá fortalecer a prática acadêmica ao mesmo tempo em que beneficia a população ao possibilitar o acesso aos cuidados básicos em Saúde.

Estrutura

O Bloco I está dividido em quatro pavimentos e em mais de 90 recintos. O primeiro deles tem auditório, biblioteca, cantina, reprografia, laboratório de informática, almoxarifado, miniauditório, duas salas de leitura e uma sala técnica. Já no segundo pavimento haverá dois almoxarifados, cinco laboratórios multiuso, um laboratório de realidade simulada, um laboratório de anatomia a seco, dois depósitos e uma sala técnica.

O terceiro pavimento abriga 11 salas de aula, um auditório de telessaúde, uma sala telepresencial, um local para o centro acadêmico, dois depósitos e uma sala técnica. O último andar é destinado aos setores administrativos, com 42 salas de professores, duas salas de convivência, duas salas de reunião, duas centrais de tecnologia da informação, a diretoria, a secretaria, duas copas e a quarta sala técnica do prédio.

Somente para os laboratórios, reservou-se uma área de 781,56 m², ficando as 11 salas de aula com 779,58 m² e as salas de professores com outros 453,56 m². Os espaços externos também são amplos, a exemplo do estacionamento, com capacidade para 88 carros e cem motocicletas, aspecto que garante segurança e conforto a servidores, discentes e visitantes.

“Para executar as atividades no novo prédio, foram contratados servidores de diversas áreas em concurso público realizado no ano passado”, diz o coordenador administrativo do ISB, TAE Antônio Roney Mota. Segundo elencou, ingressaram na Unidade quatro assistentes em Administração, um administrador, duas técnicas em Enfermagem para o Laboratório Médico-cirúrgico, quatro técnicos em Patologia Clínica, um assistente social e um psicólogo. “Eles estão preparados para atuar no bloco auxiliando professores e alunos”, completa o coordenador administrativo.

Flexível & Acessível

Segundo Manassés Ibernon, o atual projeto destaca-se pela flexibilidade de se transformar salas de aula em laboratórios e vice-versa. “Será possível fazer a permuta em razão da presença de shafts para passagens de instalações em pontos estratégicos do prédio”, esclarece o engenheiro. O termo shaft é usado para designar as aberturas verticais para a passagem de tubulações, sobretudo de instalações hidrossanitárias, sendo utilizado ainda na passagem de eletrocalhas (referente às instalações elétricas).

Também do ponto de vista técnico, ele menciona a adequação do prédio às normas empregadas na construção civil, a NBR 9050, que trata da acessibilidade para pessoas com deficiência. “Reiteramos que o edifício é totalmente acessível. Ele terá um elevador com capacidade para 13 pessoas e rampas para acesso ao prédio nas áreas externas”, finaliza.