Seletor idioma

Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias Destaque > Comitê Interno de Enfrentamento do Surto Epidemiológico de Coronavírus da Ufam recomenda restrição máxima de atividades presenciais
Início do conteúdo da página

Comitê Interno de Enfrentamento do Surto Epidemiológico de Coronavírus da Ufam recomenda restrição máxima de atividades presenciais

Publicado: Terça, 12 de Janeiro de 2021, 14h38 | Última atualização em Terça, 12 de Janeiro de 2021, 14h38 | Acessos: 1337

O Comitê Interno de Enfrentamento do Surto Epidemiológico de Coronavírus da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), na noite da última segunda-feira, 11, recomendou restrição máxima da entrada de servidores, terceirizados e visitantes ao campus da Ufam e das demais unidades descentralizadas, com exceção das atividades estritamente essenciais. O despacho foi publicado no ofício nº001/2021 do Comitê disponível no Sistema Eletrônico de Informações (SEI).  

A decisão considera as informações oficiais sobre o monitoramento da ocorrência de casos e de óbitos decorrente de infecções pelo SarsCov-2 no estado do Amazonas, que vêm apresentando crescimento exponencial; a atual situação do aumento da demanda de casos moderados e graves nas unidades de saúde de referência, aliado à falta de insumos básicos para a manutenção da vida desses pacientes; o Decreto Governamental n° 43.269, de 4 de janeiro de 2021, que dispõe sobre o cumprimento da decisão liminar, concedida nos autos do Processo n.º 0600056-61- 2021.8.04.0001; e o Decreto Municipal nº 5001, de 4 de janeiro de 2021, que declara situação anormal, caracterizada como emergencial, no Município de Manaus, retroagindo as medidas de flexibilização anteriormente definidas. 

De acordo com o presidente do Comitê, professor Bernardino Cláudio Albuquerque, a preocupação da Ufam é com a vida humana e de toda sua comunidade acadêmica. “A recomendação do Comitê foi bastante discutida e tem como respaldo a situação crítica vivida pelo Amazonas, em especial Manaus. Há um aumento no número de casos, óbitos, casos graves e um cenário crítico do Sistema de Saúde da região . A Ufam, como comunidade pensante, tem a obrigação de contribuir com a diminuição do número de casos”, encerrou.

registrado em:
Fim do conteúdo da página