Seletor idioma

Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias Destaque > Portal de Periódicos da Ufam completa nove anos contribuindo com a pesquisa científica
Início do conteúdo da página

Portal de Periódicos da Ufam completa nove anos contribuindo com a pesquisa científica

Publicado: Quinta, 05 de Novembro de 2020, 15h33 | Última atualização em Quinta, 05 de Novembro de 2020, 16h36 | Acessos: 1352

 

Portal de Periódicos da Universidade Federal do Amazonas há nove anos tem disponibilizado ao público acadêmico interno e externo uma fonte de conhecimento para novos pesquisadores. O Portal foi criado em novembro de 2011 com o objetivo de promover o acesso e dar maior visibilidade às revistas científicas dos programas de pós-graduações da Ufam. Utilizando o Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (SEER), software desenvolvido para a construção e gestão de uma publicação periódica eletrônica, é baseado no software Open Journal Systems (OJS), desenvolvido pelo Public Knowledge Project (PKP).

Atualmente, abriga 38 periódicos científicos de diversas áreas do conhecimento e ligados a diferentes unidades da Universidade, proporcionando ampla divulgação das pesquisas científicas que vêm sendo desenvolvidas no âmbito da Ufam e prestando valiosa contribuição à democratização do acesso à produção acadêmica.

Desde sua criação, o Portal vem passando por significativas transformações que visam à sua constante qualificação. Recentemente, a versão do OJS foi atualizada, proporcionando a utilização de mais funcionalidades e maior praticidade. Na mesma ocasião, o visual do Portal foi reformulado, tornando-se mais leve e intuitivo.

Com o intuito de debater alternativas para a qualificação e aprimoramento deste canal, em maio de 2018, realizou-se o I Encontro de Periódicos Científicos da Ufam. O evento, organizado pela Revista Canoa do Tempo – revista do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH/Ufam) –, teve por objetivo discutir a importância dos Periódicos Científicos como ferramentas de divulgação da produção científica qualificada da universidade e seu papel no que concerne à avaliação dos programas de pós-graduação, bem como debater estratégias de qualificação destes periódicos.

Ao final do encontro, foi apresentado um diagnóstico da situação em uma reunião com o reitor Sylvio Puga. Diante disso, no dia 9 de agosto de 2018, por meio da portaria 1720/2018, foi instituído um grupo de trabalho com a finalidade de elaborar diretrizes com vistas à implementação de uma política institucional para a qualificação dos periódicos da Universidade.

O grupo de trabalho, formado pelos docentes César Augusto Bubolz Queirós (presidente), Sérgio Augusto Freire de Souza, Jorge Carlos Magno Silva de Lima, Célia Regina Simonetti Barbalho, Célia Alexandre de Lira, Thiago Giordano de Souza Siqueira, Maria Lenir Rodrigues da Costa e Maria Nazaré de Lima, passou a realizar reuniões sistemáticas com o intuito de fazer um profundo diagnóstico da situação e elaborar uma proposta de criação de uma política institucional voltada para a manutenção, qualificação e incentivo aos periódicos da Ufam.
Após analisar detalhadamente o panorama dos periódicos da Universidade, o grupo identificou, dentre os problemas, a indefinição a quem caberia a responsabilidade sobre o Portal e a inexistência de uma política institucional de apoio aos periódicos – tanto de docentes quanto discentes. A responsabilidade pela manutenção do Portal estava a cargo do Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC), que era responsável pela criação das páginas que hospedariam as revistas a partir das demandas criadas pelos próprios professores, sem contudo, dispor de condições efetivas para capacitar e apoiar os novos periódicos. Assim, a inexistência de uma política editorial que orientasse a criação e a manutenção dos periódicos e a própria indefinição quanto às responsabilidades sobre sua manutenção criavam enormes dificuldades que se refletiam na qualificação e na operacionalização das revistas hospedadas no Portal. 

“Na época a manutenção dos periódicos científicos passava – e ainda passa – por uma série de problemas e dificuldades. A criação de um periódico não vinha sendo objeto de uma política institucional e sua manutenção dependia quase que exclusivamente do voluntarismo de uma pessoa ou grupo que, muitas vezes, quando se afastavam, comprometiam a própria existência do periódico. Certamente, as dificuldades técnicas também eram um obstáculo inicial para os professores interessados em iniciar um periódico científico e, por vezes, um motivo para a sua descontinuidade ou desistência”, afirmou o professor César Augusto Queiroz.

Muitas iniciativas de criação de periódicos científicos foram abandonadas e existiam muitas revistas sem nenhum conteúdo, o que demonstra que havia a intenção e a demanda pela criação de periódicos, mas ao se deparar com as dificuldades os projetos eram interrompidos.

Outro reflexo da falta de uma efetiva política institucional para os periódicos científicos da Universidade se reflete na avaliação destes pela CAPES. No último quadriênio (2013-2016), das 34 revistas hospedadas no Portal de Periódicos da Ufam, 15 ainda não possuíam nenhum conteúdo e quatro ainda estavam em seu primeiro número. No quadriênio 2013-2016, a Ufam não dispunha de nenhuma revista classificada entre os considerados altos estratos (A1, A2 e B1). Naquela ocasião, as revistas que obtiveram a melhor avaliação foram à revista Amazônica, Revista de Psicopedagogia, Psicologia Escolar e Educação, que foi classificada no estrato B3; e as revistas GeoNorte, BIUS: Boletim Informativo Unimotrisaúde em Sociogerontologia, Somanlu, Mutações e a Revista Elaborar, que foram avaliadas como B4. Revistas como a Decifrar, a Amazônida e a Canoa do Tempo, passaram por reestruturação e recentemente tornaram-se digitais, foram avaliadas no estrato C no quadriênio passado.

“Na avaliação de 2016, a Ufam não possuía nenhum periódico entre os altos estratos. Na avaliação posterior, divulgada em julho de 2019, já possuímos revistas classificadas como A4 (Canoa do Tempo), B1 (Geonorte e Decifrar) e B2 (Amazônida e Somanlu). Dessa forma, incentivar a qualificação dos Periódicos Científicos da Ufam representa, ao mesmo tempo, uma importante ação de extensão, no sentido de proporcionar a divulgação dos resultados das pesquisas acadêmicas realizadas no âmbito da Universidade para a comunidade (interna e externa) e uma importante estratégia para incrementar a produção científica e alavancar a avaliação dos Programas de Pós-Graduação”, destacou César Augusto Queiróz.

Com base no diagnóstico realizado nas discussões e na análise de programas institucionais adotados por outras universidades, o grupo de trabalho propôs a criação de um Programa de Apoio aos Periódicos Científicos (PAPC/Ufam), com uma estrutura permanente e um espaço próprio a fim de concentrar as demandas e necessidades dos editores e dos membros dos corpos editoriais.

registrado em:
Fim do conteúdo da página