Seletor idioma

Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Formandos da Faculdade de Informação e Comunicação receberam grau na noite do dia 10

  • Publicado: Quarta, 11 de Setembro de 2019, 14h18
  • Última atualização em Quarta, 11 de Setembro de 2019, 15h44
  • Acessos: 166

Por Irina Coelho
Equipe Ascom

Alunos de Arquivologia, Biblioteconomia, Comunicação Social - Jornalismo e Comunicação Social- Relações Públicas da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), na noite do dia 10 de setembro, colaram grau no Auditório Eulálio Chaves, localizado setor Sul do campus Universitário. A solenidade reuniu 36 formandos, além de pais, familiares, alunos, professores e técnico-administrativos.

A cerimônia foi presidida pelo reitor da Ufam, professor Sylvio Puga, acompanhado do diretor da Faculdade de Informação e Comunicação (Fic), professor Allan Soljenitsin Barreto Rodrigues. Fizeram parte da mesa a paraninfa do curso de Arquivologia, professora Eliane Gonçalves; a paraninfa do curso de Biblioteconomia, professora Amanda de Queiroz Bessa; a paraninfa do curso de Comunicação Social - Jornalismo, professora Mirna Pereira Feitoza e a paraninfa do curso de Comunicação Social-Relações Públicas, professora Judy Lima Tavares. Além dos professores Nathália Paula Damasceno Ribeiro, Raimundo Martins de Lima, Antônio José Vale da Costa, Israel de Jesus Rocha, Dayse Enne Botelho e Célia Maria da Silva Carvalho.

O reitor Sylvio Puga, durante discurso, expôs que a FIC, apesar de ter apenas dois anos e meio de constituição, tem cursos maduros na Ufam. “Esse ano, o curso de Comunicação Social – Jornalismo faz 50 anos; o curso de Comunicação Social - Relações Públicas faz 42 anos; o de Biblioteconomia tem 53 anos e Arquivologia, dez anos. Os formandos carregam este legado e concluem a graduação em um ano festivo para os cursos. As comemorações se estendem com a certeza que entregamos para a sociedade amazonense, para o Brasil e o mundo os melhores profissionais formados no Amazonas. Digo isso porque há aqui, na Ufam, grandes professores e, em que pese toda a conjuntura, os docentes fazem o máximo para que nossos alunos saiam bem capacitados. Há, sim, a certeza que o diploma que vocês carregam nas mãos é disputado no mercado. Cada faculdade, cada curso, faz o seu trabalho na defesa da universidade pública, socialmente referenciada, e de qualidade. Qualidade estampada no cotidiano dos nossos egressos, em qualquer lugar que eles estejam. Os formandos não precisam temer o futuro profissional, vocês têm uma base sólida que inclui Pesquisa, Extensão, Atividades Extracurriculares. Levem a ideia de que o conhecimento acumulado, a partir de agora, será um ponto de partida para novos desafios. Em nome da Ufam, quero dizer que estaremos sempre de braços aberto para recebê-los. Finalizo enfatizando que a FIC já nasceu grande, já nasceu pujante, e vocês são a marca disso”, falou.

O diretor da FIC, professor Allan Soljenitsin Barreto Rodrigues, lembrou, nominalmente, dos professores da Faculdade que estavam presentes para destacar que o cuidado dos docentes com os formandos. Agradeceu, em especial, os serviços prestados, por mais de 30 anos, dos professores Antônio José Vale da Costa, o 'Tom Zé', e Dayse Enne Botelho. “Essa é uma celebração da universidade pública, gratuita e que trabalhamos, diariamente, para que seja de qualidade. É o momento que recebemos na Ufam os pais, familiares, amigos, que em última instância, são os representantes da sociedade e, por isso, aproveitamos para falar que a universidade pública precisa do apoio de todos. A universidade pública, gratuita, como nós conhecemos, vem sofrendo uma série de cortes orçamentários que põe em dúvida se as futuras gerações terão as mesmas oportunidades que os formandos de hoje. O cenário não é favorável para o ensino público. A universidade precisa de aliados como os pais, familiares e egressos, que deem testemunhos, que aqui fazemos Pesquisa, Ensino e Extensão. Nós precisamos resistir e acreditar neste projeto de universidade para todos e não para poucos. É daqui que sairão pesquisas com respostas para o desenvolvimento da nossa região e precisamos voltar a acreditar na produção do conhecimento científico. A universidade é o espaço do debate, do discurso, da produção do conhecimento e de todas as linhas de pensamentos. Os formandos são a prova da importância do ensino superior público, gratuito e de qualidade e socialmente referenciado. Desejo que vocês trabalhem em prol da justiça social, da democracia, da solidariedade, do respeito à diversidade e por uma sociedade melhor”, enfatizou.                            

A paraninfa dos cursos, professora Mirna Pereira Feitoza, descreveu a alegria do momento e também chamou atenção para o momento vivido pelas universidades públicas brasileiras. “Falarei do sorriso e do brilho nos olhos dos formandos e formandas desta noite. Quero falar dos sonhos realizados e das experiências vividas nesta Universidade. Hoje é o dia de celebrar as conquistas, pois todas as etapas da educação formal foram vencidas, da pré-escola ao ensino superior, não pode haver orgulho maior. Eu quero falar destas conquistas e celebrá-las junto com vocês, pois me incluo neste processo. Assim como todos os professores e professoras que fizeram parte desta longa caminhada e dos técnicos e técnicas em educação que atuaram para que estivéssemos aqui”, destacou.

Ela enfatizou, ainda, que mesmo em um momento festivo, era necessário cumprir o dever de chamar atenção para o contexto econômico que as universidades públicas estão vivendo. “O Ministério da Educação bloqueou, no final de abril, cerca de 30% do orçamento das 68 universidades e 38 institutos federais de ensino. O corte foi aplicado sobre os gastos ditos não obrigatórios, despesas com água, luz, insumos de pesquisas, compra de equipamentos para laboratórios, pagamentos de terceirizados e obras. A suspensão dos recursos atingiu também as bolsas de estudos, prejudicando a formação científica, as pesquisas em andamento e a manutenção dos estudantes nas universidades. O governo federal também já anunciou a sua proposta para as universidades públicas, o Programa Future-se, na prática representa a privatização das universidades. A proposta 'ataca os fundamentos da universidade pública no que tange a sua autonomia, garantida no artº 207 da Constituição Federal', disse a moção de repúdio do Conselho Universitário da Ufam ao Programa Future-se. A nota conclama a comunidade universitária a organizar-se em defesa do ensino gratuito e de nossa centenária instituição. É o que faço neste momento. Os cortes se estendem também a outras instituições que dão suporte a qualidade da educação pública de nível superior e a formação de pessoas de alto nível. Em 2020, o orçamento do CNPq terá corte de 87% da verba destinada a equipamentos e materiais de pesquisa. A Capes terá somente metade dos recursos destinados as bolsas de mestrado e doutorado. Isso representa o desmonte do desenvolvimento cientifico conquistado pelo país nos últimos 16 anos, capitaneado, diga-se, por professores, professoras e estudantes das universidades públicas brasileiras. Não bastasse isso, a nossa floresta arde em chamas vítima da ganância e da crueldade, mas também do desmonte das instituições e das politicas de proteção ambiental. Como formandas e formandos desta Universidade, sei que vocês são conhecedores desta dramática realidade e da importância de todas as instituições aqui mencionadas, pois somos parte desse processo. Em que pese todas as adversidades, hoje, estamos muito felizes por está aqui viabilizando o sonho da universidade pública e é assim que queremos nos manter. É com esse espírito que eu os convido, em nome dos estudantes que ainda virão, a abraçar a luta em defesa da universidade pública, em defesa da nossa Ufam, em defesa da Amazônia e de todas as vidas que nela habitam. Sejam como árvores da resistência, brotem suas flores e seus frutos e jorrem suas sementes onde quer que vocês estejam. Floresçam. Sejam felizes pois a alegria, assim como a esperança, é a face mais luminosa da resistência” ponderou.    

A bacharela em Comunicação Social – Relações Públicas e oradora, Ligia Maciel Bentes, ao proferir o seu discurso, com a voz embargada, destacou a alegria do momento e recordou, in memoriam, da colega de jornada acadêmica, Natália Ribeiro. “Hoje, alegremente, celebramos este momento que representa a concretização de um sonho, uma realização pessoal e a satisfação de alcançar o primeiro degrau rumo a uma carreira profissional. Esse sonho que nasceu em nós, encontrou o devido apoio nos nossos primeiros incentivadores, na maioria das vezes, nossos pais e familiares, que não mediram esforços, e tornaram o caminho possível a nós. Por isso, somos gratos. Agradecemos ao corpo docente, que ao longo desses anos estiveram atentos às tendências da formação com qualidade, compartilhando estas experiências e conhecimentos. Agradecemos também ao corpo administrativo por todo o suporte recebido e aos demais prestadores de serviços, que de diversas maneiras contribuem com o nosso cotidiano acadêmico. Isso nos faz lembrar que não conquistamos nada sozinho e a prova é que alguns dos nossos amigos de antes dessa jornada acadêmica, também, estão aqui para compartilhar conosco a alegria de ter vencido todas essas etapas. Entre trabalhos, seminários, resenhas e textos lidos, nós vamos criando laços que nem percebemos quando nos tornamos amigos de alguém. Infelizmente, hoje, sentimos a falta da nossa colega Natália Ribeiro, do curso de Arquivologia. Acredito que para todos que a conheceram sempre haverá um orgulho de termos a oportunidade de conhecer alguém como ela, cheia de vida, alegria, fé e muito samba no pé. Para finalizar, gostaria de dizer que esta é uma noite memorável, não apenas porque marca uma das nossas muitas conquistas, por meio deste rito de passagem, mas o nosso compromisso de desempenhar fielmente os desejos que nos são conferidos e compromissos que estão enraizados no eterno buscar do bem estar do povo brasileiro e da humanidade. Assim, como recebemos a dádiva do ensino público gratuito e de qualidade, agora, temos a missão de compartilhar a virtude do conhecimento e dos valores adquiridos nesta nobre instituição. O conhecimento deve ser dividido pra que seja multiplicado”, finalizou.  

Confira a lista de formandos:

ARQUIVOLOGIA

  1. Ana Estela dos Santos Ferreira
  2. Bruna Wanda Pereira
  3. Cleyson Bruno Ferreira Ribeiro Porto
  4. Fernanda Caroline da Silva Gomes
  5. Francemary de Pinheiro Pinheiro
  6. Helter Luiz Rabelo Brito
  7. Hemmilys Karolinne de Sousa Maia
  8. Jessica Loren dos Santos Rodrigues
  9. Kathleane Souza Martins
  10. Kathyuscia Castilho Correa
  11. Kelly Cristine Oliveira do Nascimento
  12. Leandro Queiroz de Oliveira
  13. Luana Pinto de Oliveira e Silva
  14. Maria Aparecida de Freitas Souza Figueira
  15. Olivia Rejane de Oliveira Castro
  16. Roger de Souza Becerra Mendez
  17. Sabrina da Silva Ribeiro
  18. Silvia Angelina Lima dos Santos
  19. Soraia Martins Reis
  20. Vangivaldo Santos Silva

BIBLIOTECONOMIA

  1. Adrianny Nunes de Souza
  2. Avila Paula Andrade Monte
  3. Jessica Cristina Batista Lima
  4. Priscila Monalisa Peruggia
  5. Raphaelly Thaynah da Silva Andrade
  6. Wendy Ketlen Pinto da Silva

COMUNICAÇÃO SOCIAL- JORNALISMO

  1. George Severo Oliveira Dantas Junior
  2. Jessica Santiago Coimbra
  3. Luan Felipe Campinas Pinho
  4. Marcella Fernandes da Cunha

COMUNICAÇÃO SOCIAL-RELAÇÕES PÚBLICAS

  1. Ana Beatriz Cova
  2. Jacqueline Ausier Domingues
  3. Larissa Medeiros de Almeida
  4. Ligia Maciel Bentes
  5. Morgana Rodrigues de Souza
  6. Raisa Rodrigues de Castro
registrado em:
Fim do conteúdo da página