Seletor idioma

Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Pesquisa sobre Inovação em Alimentos Amazônicos é publicada em dois periódicos internacionais de alto impacto

  • Publicado: Sábado, 21 de Março de 2020, 20h26
  • Última atualização em Segunda, 23 de Março de 2020, 10h31
  • Acessos: 721

Com título ‘Aplicação do cold plasma na polpa de camu-camu’, o trabalho de conclusão de curso da aluna Débora Raquel Gomes Castro, egressa do curso de Engenharia de Alimentos da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), foi publicado nos periódicos Food Research International e Food and Bioprocess Technology, ambos com qualis A1 na área de Ciência dos Alimentos. A pesquisa avalia o uso de tecnologias não-térmicas para processamento de polpas de camu-camu (Myrciaria dúbia).

Os resultados comprovaram que a técnica de plasma frio reduziu enzimas que podem degradar o suco e aumentou a concentração de compostos antioxidantes. A comunidade científica mundial vem focando esforços para desenvolver técnicas que reduzam os danos à qualidade nutricional de alimentos, inibam o crescimento microbiano e favoreçam a conservação por longos períodos de tempo. A técnica de plasma a frio proporciona resultados semelhantes às técnicas convencionais, como a pasteurização, mas em temperaturas próximas a ambiente (25 °C). 

A egressa Débora Gomes comemora as conquistas e destaca a relevância das publicações para sua vida profissional. “O TCC me proporcionou conhecer técnicas avançadas que podem reduzir o efeito negativo do processamento de alimentos na qualidade nutricional de polpas de frutas amazônicas. Além disso, o projeto só confirmou o meu sonho em fazer um mestrado e doutorado e ser cientista na área de alimentos”, enfatiza. 

O orientador do trabalho, professor Pedro Campelo, lembra da necessidade dos alunos de graduação se envolverem com pesquisa e desenvolvimento tecnológico. “Nosso grupo de pesquisa tem como objetivo aplicar técnicas inovadoras no processamento de alimentos, valorizando os produtos locais. Incentivar o aluno a desenvolver projetos científicos e tecnológicos arrojados faz com que a sua formação seja mais sólida, com aplicações práticas relacionadas aos temas discutidos em sala de aula”, explica. 

As publicações são parte dos resultados gerados pelo Grupo de Biotecnologia e Inovação para Alimentos da Amazônia (gIBA) e teve a colaboração dos docentes Edgar Sanches (Nanopol/Ufam), Jaqueline Bezerra, vinculada ao Instituto Federal do Amazonas (Ifam/CMC), Fabiano Fernandes e Sueli Rodrigues, ambos da Universidade Federal do Ceará (UFC). Além dos alunos Laiane Souza da Silva, Josiana Moreira Mar e Kalil Araújo da Silva, ligados ao Laboratório de Polímeros Nanoestruturados (Nanopol).

Trabalho em conjunto 

Os professores da UFC, Fabiano Fernandes e Sueli Rodrigues, destacaram que os frutos da região amazônicas têm uma grande quantidade de compostos benéficos à saúde e que precisam ser cuidadosamente processados para que permaneçam com estes benefícios. ”Os novos métodos de produção são capazes de garantir a qualidade dos produtos e em alguns casos melhorar os aspectos benéficos, o que geralmente não é possível com as tecnologias convencionais. Outra característica dos frutos da Amazônia está em sua cor, cheiro e sabor. Os novos métodos de produção afetam muito pouco estas características que se mantém quase iguais a do fruto original. Desta forma, estes diferenciais são mantidos praticamente intactos e aumentam a possibilidade de comercialização desses frutos e de seus produtos”, avaliam os professores. 

Já o docente da Ufam ligado ao Nanopol, Edgar Sanches, e a professora do Ifam, Jaqueline Bezerra, destacam a importância das parcerias institucionais para o fortalecimento da pesquisa no Estado. “A união de diferentes habilidades torna as pesquisas cada vez mais multidisciplinares, ampliando as possibilidades de desenvolvimento de produtos, alcançando resultados mais consolidados e permitindo a proposição de aplicações tecnológicas”, finalizaram.

registrado em:
Fim do conteúdo da página