Zona Franca é tema do Fórum para o Desenvolvimento do Amazonas nesta quinta, 15

Por Cristiane Souza
Equipe Ascom

O tema será posto em debate pelo pró-reitor de Extensão, professor Ricardo Bessa.

Temas atuais e relevantes para o Amazonas são colocados em pauta semanalmente durante as sessões semanais do Fórum para o Desenvolvimento do Amazonas, promovido pela Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Federal do Amazonas. Nesta quinta, 15, o professor Ricardo Bessa apresentará o tema “ZFM e modelos alternativos para o desenvolvimento do Amazonas”, a partir das 15h, na sala de reuniões da Câmara de Extensão - Proext, localizada no 2º piso do Prédio da Reitoria, no setor Norte do Campus Manaus.

Estão confirmadas as presenças de intelectuais como o economista, administrador, doutor em Desenvolvimento Socioambiental e aposentado pela Faculdade de Estudos Sociais (FES) José Alberto da Costa Machado, que também já foi coordenador geral de Estudos Socioeconômicos e Empresariais da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa). Outro estudioso de destaque é o economista, empresário e colunista Osíris Messias Araújo da Silva, autor da obra ‘Economia do Amazonas – Visões do ontem, do hoje e do amanhã’, lançada em 2016.

Segundo explica o professor Ricardo Bessa, existe uma proximidade entre o pensamento deles e o do pró-reitor a respeito da Zona Franca de Manaus, mas o professor informa que também é aguardada a presença de expoentes de outros pensamentos, para fomentar o debate. “Nosso objetivo é propor saídas. Sabemos que a alternativa não está em Manaus, mas sim no interior. Quando foi implantada a Zona Franca, pensou-se em industrializar a Amazônia Ocidental, mas não aconteceu; ao contrário, causou profundas mutações demográficas”, adianta o professor Bessa a respeito do ponto de vista que será defendido por ele nesta quinta-feira.

Uma das propostas, segundo ele, é a criação de minidistritos industriais alternativos em cidades denominadas de polos, como São Gabriel da Cachoeira e Humaitá. O professor afirma que esta última, por exemplo, pode ser estrategicamente incluída na malha logística fluvial para a exportação de soja para os Estados Unidos (EUA) e Europa. “Mas, para desenvolver outros setores, é preciso primeiro resolver o problema do lixo, que compromete também a malha viária aérea por conta dos incidentes com urubus nas proximidades dos aeroportos”, alerta o docente.

Segundo ele, já tramita na Proext uma proposta de projeto para reciclagem dos resíduos que deve ser executada em Humaitá por meio de uma parceria entre a Ufam, a prefeitura municipal e as cooperativas de catadores da cidade. “O lixo molhado (orgânico) será recolhido pela prefeitura e levado para a àrea rural do Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente (IEAA), onde passará pelo processo de compostagem; já o lixo seco (reciclável e/ou reutilizável) será destinado aos catadores organizados em cooperativas”, conclui o professor Bessa.

É possível conferir anexo o texto base da exposição que ocorre nesta quinta. Confira.

Sobre o Fórum

Promovido pela Pró-reitoria de Extensão (Proext), o Fórum para o Desenvolvimento do Amazonas tem o objetivo de contribuir com a transformação da realidade social amazonense a partir da identificação dos problemas que mais afligem a população e entravam o desenvolvimento do Estado.

A agenda dos temas abordados será divulgada com 20 dias de antecedência de cada reunião no portal da Ufam. Ao final de cada sessão, será redigido um relatório com as propostas dos participantes do Fórum, além de ser emitido certificado de 3 horas aos participantes.

Pautas

Dia 15 de março– Zona Franca de Manaus e os modelos alternativos para o desenvolvimento do Amazonas – Prof. Dr. João Ricardo Bessa Freire – Pró-reitor de Extensão da Ufam.

Dia 22 de março– Cidadania indígena, Políticas Públicas e Desafios da Sustentabilidade no Alto Rio Negro – Prof. Msc. Elias Brasilino de Souza – Ifam.