Mesa-redonda debate violência obstétrica. Evento será no dia 28 de maio, às 18h30

 
Por Cristiane Souza
Equipe Ascom Ufam

O Comitê de Enfrentamento a Violência Obstétrica  da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) realiza, em 28 de maio – Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher e Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna – a mesa-redonda intitulada “Gênero, saúde e direitos”. A atividade ocorre das 18h30 às 20h, no auditório da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF), setor Sul do Campus Sede.

Composição da mesa

Professora Iolete Silva – Faculdade de Psicologia da Ufam;

Professora Lidiany Cavalcante – PPG em Serviço Social da Ufam;

Procuradora Bruna Menezes – Ministério Público Federal (MPF);

Rachel Gerber – Projeto Humaniza;

Mediação– professora Fátima Weiss (PPGAS/IFCHS/UFAM).

O que é violência obstétrica?

O termo violência obstétrica é reconhecido pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e utilizado globalmente para definir violências  sofridas no período  de  gestação, parto/nascimento e pós-parto. A preocupação com a violência obstétrica, no Amazonas, ganhou força quando foi criada a Comissão Estadual de Enfrentamento da Violência Obstétrica, pelo MPF, tendo a Ufam como uma das instituições participantes, ao lado da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e das secretarias estadual e municipal de Saúde, Susam e Semsa. A Comissão Estadual, dentro da sua competência, desenvolve mecanismos assistenciais.

Esse tipo de violência pode ocorrer em hospitais públicos e privados, sendo irrelevante a classe social da vítima. Atitudes como forçar a mulher esperar mais tempo que o necessário, impor um tipo de parto, sem que a parturiente participe da decisão, ou mesmo dizer frases como ‘Ah, na hora de fazer você estava contente. Agora está chorando, dizendo que está doendo’, tudo isso dito num momento muito sensível.

Para mais informações sobre a mesa-redonda, entre em contato com a Professora Fátima Weiss pelo telefone (92) 98208-5646.