ISB/Coari realiza primeira aula por videoconferência

Por Sebastião de Oliveira 
Equipe Ascom

Ocorreu nesta segunda-feira, 27, a 1ª Teleaula por Videoconferência para os alunos de graduação do curso de Medicina do Pólo de Coari da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).  A aula ministrada pelo professor Luiz Fernando Passos da disciplina de Patologia Geral teve como tema Inflamação. A Gerência Multidisciplinar de Telessaúde (GMTS) e o Instituto de Saúde e Biotecnologia (ISB) darão continuidade essas atividades, possibilitando aos discentes, por meio da utilização de novas tecnologias, o ensino a distância. Para a GMTS, essa ferramenta é mais uma alternativa para a formação dos cursos de graduação nos pólos da Ufam.

O que é GMTS?

A Gerência Multidisciplinar de Telessaúde (GMTS/Ufam) é órgão complementar vinculada à Reitoria. Criada através da Resolução N.011/2014 do Conselho de Administração (CONSAD), de 24 de março de 2014, tem como objetivas: I – Prover condições de desenvolvimento de ações de teleconsultoria e teleassistência nas diversas áreas de promoção e restabelecimento da saúde no âmbito de atividade da UFAM no Estado do Amazonas; II – Dar suporte e promover atividades de teleducação em saúde; III - Fornecer condições de suporte docente-assistencial ao discentes da área da saúde em estágio nas cidades sede de unidades acadêmicas do interior do Estado do Amazonas em plataforma tecnológica colaborativa; IV – Facilitar ações de pesquisa e extensão para formação e qualificação profissional na área interdisciplinar de telessaúde; V – Viabilizar o estabelecimento de conexões de videoconferência e telepresença; VI – Fornecer suporte técnico aos usuários do sistema de telessaúde da UFAM; VII – Oferecer consultoria técnica e especializada em serviços de teleassistência; VIII – Desenvolver, no âmbito de atuação da UFAM no Estado do Amazonas, as ações estimuladas pelo Programa Telessaúde Brasil Redes e pela Rede Universitária de Telemedicina (RUTE).

 

Professor Pontes Filho lança obra ‘Logospirataria na Amazônia’ pela editora Chiado de Portugal

Por Sebastião de Oliveira
Equipe Ascom

Publicado pela Editora Chiado, de Portugal, a obra Logospirataria na Amazônia’ contém 318 páginas, distribuídas em cinco capítulos, cuja autoria é do professor da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Amazonas (FD/Ufam), Pontes Filho. A Assessoria de Comunicação (Ascom) esteve conversando com o professor após lançamento da obra em Portugal. Veja a entrevista na integra:

ASCOM: Do que trata o livro ‘Logospirataria na Amazônia’? Este é um novo conceito? O que é e qual o impacto da logospirataria?

Pontes Filho: O livro trata da ocorrência da logospirataria na Amazônia e seus predatórios impactos na região. Procura responder questões centrais: O que se entende por logospirataria? Quais os impactos resultantes da logospirataria na Amazônia brasileira? Investiga a incidência da logospirataria e seus principais impactos na região, considerando as populações tradicionais, a biodiversidade e a crescente escassez de recursos ambientais. Sim, pode ser considerado um novo conceito no campo sócio-jurídico, ou seja, oriundo da área das ciências sociais e jurídicas. A logospirataria se evidencia com os impactos que produz, a partir do levantamento da realidade socioambiental, com a constatação de processos e situações concretas de pilhagem de recursos naturais e socioambientais, apropriação indevida de conhecimentos tradicionais associados ao uso da biodiversidade, e a exploração irregular do trabalho humano, impactando nocivamente a bio e sociodiversidade. Os processos logospiratas quase sempre envolvem corrupção, violência, crimes, espoliação do trabalho, saques irracionais de recursos da natureza, privação e violação a direitos. No caso, a pesquisa e os estudos se ocorreram tomando por base e a partir de fatos e eventos de logospirataria verificados na Amazônia brasileira.

ASCOM: Qual o objetivo da obra?

PF: Apresentar uma nova abordagem e linha de estudos de processos predatórios e aniquiladores da biodiversidade e das culturas na Amazônia; propondo medidas para prevenir e combater os mesmos. Produzir análises do nocivo movimento dos processos logospiratas na realidade amazônica. Em face disso, buscar medidas para promover maior reação e enfrentamento à logospirataria naturalizada ou institucionalizada na região antes que seja tarde demais. Recursos naturais, biológicos, culturas, conhecimentos e sociedades tradicionais na Amazônia dependem desse atento e permanente combate à logospirataria na Amazônia.

 

ASCOM: Qual a importância de discutir o tema - logospirataria na Amazônia? Como está a situação atual?

PF:É especialmente relevante debater o tema e os problemas gerados pela logospirataria na Amazônia, sobretudo com vista a manter o que ainda resta de diversidade biológica e sociodiversidade na região, bem como a preservar a qualidade do ambiente amazônico como um todo, essencial não só ao país como ao planeta. Isso implica em ampliar a compreensão do que representa a Amazônia em termos de diversidade de recursos naturais, biológicos e culturais, atento às características ambientais ainda existentes, sobretudo considerando o atual contexto de crescente escassez de certos recursos e no qual a região é constantemente pressionada e ameaçada com projetos de intervenções logospiratas, medidas exploratórias e atividades econômicas capazes de aniquilar a qualidade do meio ambiente amazônico, sociedades nativas e comunidades tradicionais. A logospirataria movimenta, opera e também resulta dos impactos de negócios socioambientais irresponsáveis, intervenções e atividades exploratórias que visam fins meramente pragmáticos e mercadocêntricos, não cumprem a função social da ordem econômica nem observam cuidados básicos da atividade para com a meio ambiente e suas populações. Por todos esses aspectos, é fundamental discutir a logospirataria na Amazônia.

 

ASCOM: Qual o público do livro?

PF:Os leitores que se interessam pela Amazônia e pela compreensão dinâmica da logospirataria e seus impactos nocivos na região, em especial, estudantes, professores, pesquisadores e profissionais do direito e cientistas sociais que trabalham e lidam com problemas socioambientais na Amazônia.

 

ASCOM: Quais as contribuições se espera dar à academia e à sociedade com o livro?

PF: Uma modesta contribuição para o aprofundamento de estudos, de pesquisas e ao enfrentamento de problemas decorrentes da logospirataria na Amazônia, como também colaborar com a compreensão, o diálogo e a prevenção de consequências decorrentes da logospirataria. A sociedade amazônica precisa compreender para saber lidar com os problemas, tensões e graves danos que a logospirataria tem historicamente imposto à região.  Nesse sentido, procura a obra contribuir com o desenvolvimento da pesquisa sobre os processos logospiratas, levantar os problemas decorrentes na realidade amazônica e colaborar para a formação de quadros com vistas ao desenvolvimento regional. Esse é também um aspecto relevante à sociedade nacional e planetária, pois todo o mundo se beneficia com a preservação da Amazônia.

 

ASCOM: Onde o interessado poderá adquiri-lo? 

PF:O livro poderá ser adquirido em sites de livrarias parceiras da editora Chiado, tais como: livraria Cultura, Martins Fontes, Saraiva, Galileo e outras, além do site da própria Chiado editora.

 

ASCOM: Algo mais a comentar sobre a obra?

PF: O livro resultou de uma longa jornada constituída de várias experiências, pesquisas, erros e acertos, aprendizagens e continua dedicação ao estudo sistemático da problemática da Logospirataria na Amazônia. Embora a obra exponha algumas considerações conclusivas, elas não são um ponto final ao estudo e à pesquisa dos problemas expostos na mesma. Pelo contrário, não há qualquer pretensão quanto a produzir uma “verdade final” sobre o objeto de estudo. Na realidade, apesar de todo o empenho, trata-se apenas de uma contribuição para ver, ler e tentar compreender processos tão impactantes sobre o universo amazônico. Por isso, não há um caráter definitivo na pesquisa sobre o assunto: a porta foi apenas aberta. A jornada que implicou no livro foi bastante exigente e, nesse sentido, não é uma obra qualquer, mas fruto de uma intensa caminhada de pesquisa, reflexão e elaboração da tese. Esse trajeto se faz perceber na produção escrita. É uma obra que propõe a oportunizar o diálogo – ir ao encontro do que se está por pesquisar, por descobrir, por revelar.

 

ASCOM: Obrigado professor pela atenção.  

 

 

 

PCU promove II módulo do curso de 'Avaliação de Imóveis'

 

A Prefeitura do Campus Universitário (PCU) promove o II módulo do curso ‘Avaliação de Imóveis’, realizado em parceria com a Pró-reitoria de Extensão (Proext) e da Pró-reitoria de Gestão de Pessoas (Progesp), de 06 a 10 de agosto, das 18h30 às 22h, na sala 13 do bloco Professor Nelson Ribeiro Porto, localizado no primeiro prédio da Faculdade de Tecnologia (FT), setor Norte do Campus Universitário.

Este módulo da capacitação abordará  o tema ‘Tratamento por Fatores’ e será ministrado pelo engenheiro civil e docente da Ufam, Marcus Vinícius de Vasconcelos Paiva.O objetivo do curso é instruir os participantes em relação às bases para atuação na área de avaliação de terrenos, seja a aplicabilidade destinada a empresas privadas ou órgãos públicos. De acordo com a Progesp, diretrizes estão de acordo com as normas técnicas da ABNT NRBR 14.653-2. Acesse o link.

Inscrições e vagas

Ao todo, 55 vagas serão disponibilizadas, sendo 20 reservadas para Técnico-administrativos Educacionais (Tae) da Ufam, 15 para docentes da Universidade, 10 para estudantes finalistas de um dos cursos de Engenharia ou de Arquitetura e Urbanismo e, por fim, 10 vagas para instituições parceiras interessadas. Para participar, é necessário inscrever-se previamente até o dia 03 de agosto:

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfYQy4sywhrkHQpRKoeHHkV_qfrgPMfb7VUvfEbZnDHmdFfhQ/viewform

Módulos seguintes

O próximo módulo do curso discutirá o ‘Tratamento por interferência estatística’ e o último, Módulo IV, discutirá o ‘Método de custos de reprodução’. Cada etapa descrita possui carga horária de 20h.