Reitor e equipe administrativa recebem embaixador israelense no Brasil

 

Por Juscelino Simões e Carla Santos
Equipe Ascom Ufam

O reitor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), professor Sylvio Puga, recebeu, no gabinete da Reitoria, na quarta-feira, dia 20, a visita do embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelly. O objetivo da aproximação, segundo o representante israelense, foi conhecer a estrutura e o poderio acadêmico da Instituição com vistas a uma futura cooperação. Durante o encontro, muito se falou, por exemplo, sobre tecnologias voltadas ao meio ambiente e soluções sustentáveis.  

Em sua comitiva, o embaixador do estado de Israel trouxe o presidente do Comitê Israelita do Amazonas, Benjamin Benchimol, e o presidente do Clube Hebraico, David Vidal Israel. Por parte da Ufam, estiveram presentes os pró-reitores de Administração e Finanças, de Gestão de Pessoas, de Planejamento e Inovação Tecnológica. 

O embaixador israelense afirmou ter se impressionado com a grandeza do complexo verde onde o campus da Ufam está instalado. “Vim para conhecer a Ufam sabendo um pouco do que a Universidade representa para esse estado, mas é chegando ao Amazonas que temos dimensão real. Nossa missão parte da premissa de que podemos sempre estabelecer parcerias”, disse o embaixador.

O vice-reitor, professor Jacob Cohen, ressaltou a importância da visita do embaixador na Universidade como uma forma de fomentar colaborações e cooperações institucionais. “A nossa Universidade tem um importante papel na produção do conhecimento científico na Amazônia. Temos inúmeros pesquisadores produzindo trabalhos em diversos campos da ciência que despertam o interesse mundo afora. É importante receber o embaixador de Israel porque temos a possibilidade de estabelecer algumas parcerias com universidades israelenses em áreas de nosso interesse”, ressaltou.   

O reitor da Ufam, professor Sylvio Puga, afirmou que a visita do embaixador é motivo de satisfação para a Universidade porque abre a possibilidade de realizar parcerias com o governo de Israel, com universidades e instituições de pesquisas. “Vivemos numa região rica e precisamos transformar esta riqueza natural em riqueza econômica por meio do capital intelectual. Estamos abertos para estabelecer essa troca de conhecimento entre outras universidades” destacou.