Pós-graduandos da Ufam podem concorrer a bolsas de doutorado sanduíche no exterior

Aula inaugural da pós-graduação será no dia 9 de abril, mas a equipe da Propesp reuniu-se antecipadamente com os doutorandos para informar sobre a seleção interna para o doutorado sanduíche em 2019

Titular da Propesp, professora Selma Baçal apresentou as oportunidadesTitular da Propesp, professora Selma Baçal apresentou as oportunidades

Por Cristiane Souza
Equipe Ascom Ufam

Com o objetivo de oferecer cotas para estágio em pesquisa de doutorado no exterior, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) lançou o Edital nº 041/2018, onde regula a seleção para o Programa Institucional de Doutorado Sanduíche no Exterior (PDSE). Como a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) terá – a princípio – 13 cotas para 2019, a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Propesp) realizou hoje, 12, reunião de esclarecimento com os interessados que poderão concorrer às bolsas.

“No âmbito do PAC-PG [Programa de Apoio à Consolidação e ao Avanço da Qualidade da Pós-graduação], que visa à internacionalização das nossas ações, precisamos enviar alunos de doutorado para fazer cooperação com instituições fora do Brasil e também receber alunos do exterior”, ressaltou a titular da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, professora Selma Baçal. “Esta reunião é apenas com os alunos de doutorado, para que eles fiquem atentos sobre as seleções internas, em cada Programa, para concorrer a um período de doutorado no exterior, o chamado doutorado sanduíche”, completou a docente.

Há algo em torno de 1.300 alunos de doutorado nos 16 cursos, já inclusos os três doutorados recém-aprovados: em História, Engenharia Elétrica e Geografia. Ao todo, a Universidade abriga 37 Programas de pós-graduação com 52 cursos, entre mestrados e doutorados. “Do total dos nossos doutorados, alguns já têm condições de enviar discentes para o exterior. O aluno precisa ser aprovado no exame de proficiência em língua inglesa, o TOEFL, do qual a Ufam é unidade aplicadora, e ter pelo menos um ano no PPG. Além disso, precisa preencher todos os requisitos do edital de seleção da Capes”, informa a pró-reitora.

Traçando a estratégia

A professora Selma Baçal enumerou os países para os quais os doutorandos da Ufam podem fazer aplicações e permanecer durante seis meses ou um ano, conforme a solicitação e a disponibilidade de cotas no PDSE. “Nós concorremos ao Print [Programa Institucional de Internacionalização] e o edital de seleção traz uma lista de países onde nossos doutorandos podem estudar. Na América Latina tem Argentina, Chile e México; na América do Norte, o Canadá e os Estados Unidos; na Europa, alguns países, exceto Portugal e outros com menor indicação para a parceria internacional, a depender da área de conhecimento”, esclareceu ela.Na Ufam, há cerca de 1.300 doutorandos nos 16 cursos de doutoradoNa Ufam, há cerca de 1.300 doutorandos nos 16 cursos de doutorado

A ideia, segundo a pró-reitora, é mesmo fortalecer a Universidade com uma pesquisa qualificada e ampla, por meio das parcerias com uma diversidade de instituições com grande expertise em temas caros para o Brasil e para o mundo. Segundo ela, normalmente são priorizadas áreas como as engenharias, as tecnologias da informação e a sustentabilidade. “A Capes, o CNPQ e o Brasil têm mais interesse em desenvolver essas áreas, que são mais práticas”. Por outro lado, ela destaca que o edital nº 041/2018 é aberto, de modo que todos os doutorandos estão aptos a concorrer, desde que cumpridas as outras exigências.

A diretora do Departamento de Acompanhamento e Avaliação da Propesp (DAV), professora Adriana Malheiro, ficou responsável pela apresentação técnica, esclarecendo pontos importantes do edital de seleção da Capes. Ela divulgou ainda as principais estratégias da Propesp para impulsionar o bom desempenho dos doutorandos nas seleções internas dos respectivos Programas de Pós-Graduação e na seleção geral. “Como a proficiência em Inglês é um dos requisitos para concorrer ao PDSE, temos um preparatório para a prova do TOEFL, um impulso a mais para os que desejam ser aprovados, até porque a pontuação mínima para passar é de 527 pontos”, disse ela.

A professora Selma Baçal mencionou que a Propesp tem o plano de inserir uma disciplina totalmente em língua inglesa na pós-graduação, com todo o material de apoio e as referências nesse idioma. “Pelo fato de o inglês ser a principal língua pela qual se veicula a produção científica mundial, nós devemos estar preparados. Estamos buscando o conceito cinco para os nossos programas, mas, para isso, devemos ter consolidada a internacionalização da pós-graduação da Ufam”, finalizou a pró-reitora.