Edua é finalista do Prêmio ABEU 2018, da Associação Brasileira das Editoras Universitárias

 

O livro indicado ao prêmio da ABEU está organizado em 15 capítulos, com 28 ensaios de 22 ensaístas (Foto: Sérgio Freire)O livro indicado ao prêmio da ABEU está organizado em 15 capítulos, com 28 ensaios de 22 ensaístas (Foto: Sérgio Freire)

Obra concorre na categoria 'Projeto Gráfico'. Resultado do prêmio será divulgado no dia 5 de novembro

Por equipe Ascom*

 
Com o selo 'Oficina das Artes' da Editora da Universidade Federal do Amazonas (Edua), a obra 'Ritos – Roberto Evangelista', organizada pelos professores James Araújo, Verônica Gomes e Renan Freitas Pinto, foi indicada nesta sexta-feira, dia 5, ao Prêmio ABEU 2018, da Associação Brasileira das Editoras Universitárias. 
 
Lançado em 2017, o livro reúne ensaios em torno da obra do artista plástico Roberto Evangelista e consiste em textos e imagens que constroem o mosaico de sua trajetória. A publicação levou dois anos para ser finalizada. 
 
Diretor da Edua, o professor Sérgio Freire, afirmou que a indicação do livro a uma das mais importantes iniciativas da ABEU é bastante significativa. 
 
"Representa o reconhecimento da qualidade que a Editora da Universidade Federal do Amazonas tem buscado, ampliando  seus processos editoriais e dando visibilidade a nossa produções. Estamos todos de parabéns e esperamos repetir todos os anos a participação da Ufam, por meio da Edua e suas obras no Prêmio Abeu", disse.
 
Composição - O livro está ordenado em 15 capítulos, com 28 ensaios de 22 ensaístas. Ainda segundo um dos organizadores do projeto, 'Ritos' foi cuidadosamente pensado para corresponder ao poder de criação de Roberto Evangelista. Para ele, o artista plástico foi um dos poucos a conseguir atravessar os rios e mares de nosso continente e ser reconhecido no Velho Mundo e nos Estados Unidos. "Tudo por meio de sua trajetória artística. Ele é um nome universal", reiterou o professor James Araújo. 
 
Os ensaios receberam a contribuição de críticos de arte, artistas e intelectuais do porte de Guy Brett, Márcio Souza, Paulo Herkenhoff, Luiz Ruffato, além de Regina Vater, Viviane Matesco, Luciane Páscoa, Leyla Leong, Otoni Mesquita, Rita Loureiro, Elson Farias, Aldísio Filgueiras, dentre outros. 
 
A professora Verônica Gomes, que assina o projeto de Design do livro, ressalta a importância da obra no campo social e cultural. "Trata-se de um registro necessário em virtude dos trabalhos do artista ser fugidio, na medida que são feitos e logo desfeitos sem deixar rastro, como, por exemplo, as várias instalações propostas pelo artista. Sendo assim, um contributo imprescindível para a pesquisa sobre o trabalho do artista às gerações de agora e do futuro", afirmou.

Sobre o Prêmio ABEU - O Prêmio ABEU foi instituído por meio de resolução interna em 26 de março de 2015, visando a distinguir, anualmente, as melhores edições universitárias no âmbito do conhecimento científico e acadêmico, bem como a realçar o projeto gráfico mais acurado.
 
O Prêmio chega à sua 4ª edição com um novo curador: até 2017, a escolha dos jurados e avaliadores das obras era realizada por José Castilho Marques Neto, posição que passa a ser ocupada por Sheila Diab Maluf. Além disso, o número de categorias premiadas aumentou, passando de 5 para 7: a categoria "Ciências Sociais e da Expressão" foi dividida em "Ciências Sociais Aplicadas" e "Linguística, Letras e Artes". 
 
A cerimônia de premiação ocorre no dia 5 de novembro, na Cinemateca Brasileira, em São Paulo, quando serão apresentados os ganhadores de cada categoria.
 
*com informações da Edua e site da ABEU