• Proplan informa sobre documentos para previsão de arrecadação de convênios

  • Somando-se as modalidades, foram deferidos 370 auxílios. Do resultado preliminar é cabível recurso.

  • Ufam apresenta mapa da vulnerabilidade socioeconômica dos discentes durante coletiva

  • Inaugurada sede do Instituto Confúcio/Unesp na Ufam

  • XIII Juufam ocorre entre os dias 18 e 26 de julho

  • Ufam dá boas-vindas aos novos servidores efetivos

  • Calouros com as melhores notas nos processos seletivos de 2019 são homenageados pela Ufam

  • Professor David Lopes Neto defende Memorial Acadêmico no próximo dia 24 de maio

  • Inscrições abertas entre os dias 27 de maio e 13 de junho de 2019

  • As inscrições estão abertas até o dia 6 de junho

  • Segunda retificação no edital. Inscrições vão até 5 de junho

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
  • 11

Reitor outorga grau de formandos em Licenciatura Indígena em Políticas Educacionais e Desenvolvimento Sustentável

Carla Santos
Equipe Ascom Ufam
 
Formar professores-pesquisadores indígenas no âmbito da enunciação de políticas públicas educacionais e processos pedagógicos próprios: uma missão a qual a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) exerce, no município de maior número de indígenas do País, a cidade São Gabriel da Cachoeira, distante a 853 km em linha reta da capital, Manaus. Em uma solenidade que valorizou a cultura nativa, o reitor da Instituição, professor Sylvio Mario Puga Ferreira, presidiu a cerimônia de outorga de grau a 29 formandos da segunda turma de Licenciatura Indígena em Políticas Educacionais e Desenvolvimento Sustentável (Yegatu), intitulada Pisasuwa Kuasa.
 
Iniciado no ano 2009, a Licenciatura é organizada a partir da territorialidade linguística (Baniwa,  Yegatu e Tukano) sendo ofertada em seis polos, cuja metodologia se norteia pela legislação nacional e internacional da educação indígena. O curso tem duração de quatro anos e é promovido em oito etapas intensivas e sete intermediárias.  
 
Na solenidade de outorga de grau, foram convidadas a compor a mesa, além do reitor da Ufam, as seguintes autoridades: a idealizadora do curso de graduação e paraninfa da turma, professora do Instituto de Filosofia, Ciências Humanas e Sociais, professora Ivani Ferreira de Faria, o pró-reitor de Extensão, professor José Ricardo Bessa Freire e a diretora do IFCHS, professora Simone Baçal. O diretor-presidente da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (Foirn), Marivelton Barroso e o professor homenageado, Rinaldo Sena Fernandes, além do coordenador da Licenciatura, professor Frantomé Bezerra Pacheco, as lideranças indígenas Baré e Werekena, Bras França e Juarez Cândido, respectivamente e o diretor da Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação, professor Jamal Chaar também compunham a mesa da solenidade. A cerimônia foi realizada no auditório 'Wayuri', do Instituto Federal do Amazonas (Ifam), cujo diretor, professor Elias Brasilino, foi representado pelo professor Manoel de Jesus Souza, também à mesa do evento.
 
Após a entrada dos formandos, a aluna Maria Lindalva Fointes Olímpio, da etnia Baniwa, procedeu ao juramento em português e em Yegatu. Da mesma forma, o orador, Paulo Cézar Gaspar Gonçalves, proferiu seu discurso nos dois idiomas, emocionando os familiares e professores do curso. A tônica dos pronunciamentos, a valorização das tradições nativas e a necessidade de garantir o direito ao conhecimento para salvaguardar a cultura dos povos indígenas. 
 
O reitor da Ufam, professor Sylvio Puga, falou da importância da Licenciatura e a obstinação da idealizadora do curso, professora Ivani Ferreira de Faria para fortalecer a relação da Universidade com os povos indígenas. "A Licenciatura é uma prática desenvolvida que converge no exercício das habilidades dos, agora, licenciados, que é uma proposta do curso. Qualificando-se, os novos profissionais estarão aptos a pensar e criar instrumentos pedagógicos próprios à prática docente para o bem viver em suas comunidades", disse o reitor. 'Aqui, reconhecimos e ratificamos o compromisso da professora Ivani Ferreira de Faria de décadas para com as políticas educacionais voltadas aos povos indígenas", ressaltou o reitor. 
 
A paraninfa da turma, professora Ivani Ferreira, em seu discurso, chamou ao exercício de cidadania participativa indígena e a construção da autonomia educacional dos licenciados. "Nosso ideal é difundir o controle sobre a agenda educacional indígena, com o objetivo de romper com o que se impõe a esses povos no que tange à educação e a Licenciatura Indígena em Políticas Educacionais e Desenvolvimento Sustentável (Yegatu) vem para preencher essa lacuna", salientou. 
 
Aprendizado -  Primeiro a receber o diploma de licenciado, o graduado Adailton Pompilho Baltazar, falou da felicidade de cumprir uma jornada importante em sua vida pedagógico. "Não foi fácil chegar até aqui, porque fazemos muitas renúncias para poder estar em sala de aula. Deixar nossa comunidade e vir para a cidade, estudar, requer muita força de vontade e apoio da família", contou. 
 
O graduado da turma com mais idade, Eliúde Américo Rodrigues Carneiro, já possuía graduação na área de Educação por outra instituição, mas disse que, até cursar a Licenciatura, ainda não se sentia suficientemente preparado para lecionar. "Vou voltar a minha comunidade mais qualificado para ministrar minhas aulas. Agora me sinto mais seguro para atuar como professor, o que aprendi aqui me abriu as portas para um universo que até então eu não acreditava que pudesse ser capaz de administrar e empregar no meu dia a dia", considerou.
 
Abaixo, a listagem com os nomes dos novos licenciados em Políticas Educacionais e Desenvolvimento Sustentável (Yegatu):
 
- Alberta Gomes André
 
 
 
 

RP

Como parte das comemorações pelos 40 anos do curso de Relações Públicas da Ufam, o fundador e ex-professores da graduação foram homenageados com placas de agradecimento, na manhã desta sexta-feira, 1º de dezembro, em solenidade realizada no auditório Solimões, na Faculdade de Informação e Comunicação (FIC). A cerimônia acolheu, ainda, o lançamento oficial do selo comemorativo alusivo à data. Acompanhado do representante da Superintendência dos Correios no Amazonas, o reitor da Universidade, professor Sylvio Mario Puga Ferreira validou a marca comemorativa e os entregou a convidados do evento.  

 
Tanto a entrega da placa comemorativa quanto o lançamento do selo representam, segundo a coordenação da cerimônia, um momento simbólico da memória das Relações Públicas no Amazonas, no intuito de valorizar aqueles que contribuíram na formação de novos profissionais, ajudaram a promover a inserção deles no mercado de trabalho e na consolidação da atividade de Relações Públicas na sociedade.
 
Entre os professores homenageados estavam a professora Terezinha Lima, professora Socorro Pereira, professor Reynaldo de Miranda Leão (in memorian, representado por seu filho), professora Ierecê Barbosa (ausente, mas representada pela coordenadora do evento, professora Célia Carvalho), professora Luíza Elayne e professor Edson Gil Costa (ausente e representado pela professora Aline Lira). As principais menções foram feitas ao professor fundador do curso de Relações Públicas, Randolpho Bittencourt e ao professor emérito do curso de Jornalismo e que também ocupou o cargo de reitor da Instituição entre 1997 e 2001, Walmir Albuquerque. 
 
No momento da entrega das placas, muitos dos homenageados se emocionaram e os que representaram os agraciados, discursaram à plateia expressando respeito, carinho e agradecimento aos que não puderam receber a honraria, pessoalmente. O professor Walmir Albuquerque, por exemplo, foi citado como "o jornalista mais relações públicas" do curso de Comunicação Social da Ufam por ter atuado como orientador de muitos alunos de Relações Públicas. À mesa do evento, o professor do curso de RP Jonas Gomes mencionou sua premiação nacional no concurso Celso Furtado de Desenvolvimento Regional, conquistado, segundo ele, em função do grande apoio que recebeu do professor emérito Valmir Albuquerque. "Praticamente todo o curso de Relações Públicas da casa conviveu com o professor Valmir (Albuquerque) mesmo que na formação, ele seja um jornalista. Eu tive a honra de ser seu aluno e agora, estar sentado à mesa com ele, para homenageá-lo", frisou o professor Jonas Gomes.  
 
professor Reynaldo de Miranda Leão também foi mencionado por outros professores presentes à solenidade. De acordo com o professor Walmir Albuquerque, ele era um professor dedicado, que mesmo tendo tido oportunidade nunca se ausentou da Universidade, levando para os alunos sua própria vivência em instituições públicas para servir de conhecimento para quem ministrava aulas. As memórias sobre o professor Reynaldo foram reiteradas pela professora Terezinha Lima Silva, que destacou suas qualidades não apenas como docente, mas como ser humano alegre, culto e muito generoso. "Ele era uma pessoa sim, muito querida, que nos faz falta, que hoje sentimos ainda mais por não poder tê-lo aqui para receber essa justa homenagem, mas ele era uma pessoa feliz, deve estar orgulhoso do que estamos vivendo e vamos sempre lembrar dessa alegria que ele levava consigo", salientou.   
 
Selo comemorativo - Encerradas as homenagens aos ex-professores do curso de Relações Públicas, o reitor, professor Sylvio Puga e o representante da Superintendência dos Correios, Lourenzzo Allysson Gondim da Silva tomaram a mesa para início da cerimônia de obliteração do selo. No ato de obliteração, a autoridade carimba o selo que será afixado à correspondência e sua marca de referência passa a ser comercializada e podendo circular por todo o mundo. 
 
Posterior ao reitor, o mesmo ato de obliteração foi conduzido junto ao diretor da FIC, professor Allan Rodrigues e também à decana do curso, professora Laura Jane Vidal Bezerra. Além deles, a coordenadora do curso, professora Judy Lima, os representantes docentes professora Aline Lira e Jonas Gomes e representantes discentes Mateus Pacheco, Antônio Carlos Lopes e Sumara Ennes das Neves também receberam o selo. 
 
representante da Superintendência dos Correios, Lourenzzo Allysson Gondim da Silva agradeceu o convite para prestigiar e participar do evento e destacou a importância do curso para a sociedade. "Reitero aqui a importância desse campo de formação para as instituições públicas e privadas, porque é por meio delas que existe a aproximação com o público", falou, destacando: "Esse selo não apenas marca a história do curso, vai também eternizar esse momento nas peças filatélicas que irão circular nas nossas mais de 5.000 agências por todo o País", frisou. 
 
No auditório, o reitor iniciou seu pronunciamento saldando o ex-reitor e professor emérito da Ufam, Valmir Albuquerque e o professor Randolpho de Souza Bittencourt, nomes responsáveis pela fundação do curso de RP, os quais, para o reitor, tiveram o pensamento visionário, acreditaram e constituíram a faculdade com inúmeros desafios, há quatro décadas.     
 
O reitor seguir seu discurso reafirmando seu intuito de fazer com que o curso de Relações Públicas se fortaleça ainda mais. "Este nosso sonho, essa chama precisa se manter acesa, mesmo com os desafios e esses desafios precisam ser avaliados sob a ótica positiva, com criatividade e novos modelos. Eu acredito e estamos trabalhando para isso, focando em um futuro tão glorioso, quanto o passado e o presente até esse momento, seguindo o exemplo de Valmir Albuquerque e Randolpho Bittencourt. São momentos como esse que congregamos e que nos anima o sentimento de unidade universitária", concluiu.  
 
Tradição e regionalismo - A construção visual do selo remete à tradição e ao regionalismo por meio dos traços indígenas geométricos, que compõem o numeral 40. As diferentes tonalidades de verde representam diversas associações materiais, como a floresta, a Amazônia, a Ufam, as folhagens e a natureza. 
 
"Na associações afetiva, o selo remete ao orgulho, à juventude, à maturidade, à coragem e à firmeza. A marca representa a renovação constante do curso e a missão de formar profissionais de excelência", enumerou a coordenadora do evento dos 40 anos das RP, professora Célia Carvalho
 
Por fim, todos os convidados participaram do descerramento da placa em homenagem aos 40 anos do curso de RP, afixada no segundo andar do prédio do Departamento de Comunicação. De lá, todos seguiram para o brinde e corte do bolo comemorativo à data. 

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa é tema de encontro na Ufam

Evento é coordenado pela Faculdade de Educação e visa a formação continuada de professores alfabetizadores

Por Ismael dos Santos (Equipe Ascom) e Ana Célia Ossame

Será no próximo dia 30 de novembro, quinta-feira, a partir das 8h30, a abertura da formação continuada para os profissionais que atuam do 1º ao 3º ano do ensino fundamental no âmbito do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) 2017.O evento será no Auditório Eulálio Chaves, no Campus Universitário da Ufam, na Avenida General Rodrigo Octávio Jordão Ramos, no Coroado.  

Sob a coordenação do Centro de Formação Continuada, Desenvolvimento de Tecnologia e Prestação de Serviços para a Rede Pública de Ensino (Cefort), vinculado à Faculdade de Educação da Universidade do Amazonas (Faced), o PNAIC 2017 tem como foco o direito da criança ser alfabetizada e vai abranger os 62 municípios amazonenses.

Na abertura estarão 700 formadores e coordenadores que atuarão nos municípios na formação de professores alfabetizadores.

O PNAIC foi lançado pelo Ministério da Educação em 2012, com o objetivo de mudar a situação da alfabetização tardia no Brasil, incluindo para isso os municípios, Distrito Federal, estados e governo federal.

 O objetivo do pacto é alfabetizar em Português, Matemática e Ciências Humanas e da Natureza todas as crianças até os oito anos de idade, no final do 3º ano do Ensino Fundamental.

O programa apoia as escolas públicas em diferentes necessidades: formação continuada de professores alfabetizadores, com cursos presenciais. Também distribui gratuitamente materiais didáticos e pedagógicos específicos para alfabetização, obras literárias, além de outras tecnologias educacionais como jogos.

Resultados

 A coordenadora do PNAIC, professora Zeina Thomé, explica que entre os principais resultados do PNAIC no Estado, destaca-se o crescimento do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2015, que passou de 3,0 em 2013 para 3,5 em 2015.

De acordo com ela, o Amazonas e Pernambuco foram únicos Estados brasileiros que cresceram em todos os níveis do Ideb 2015 tanto nos anos iniciais e finais do ensino fundamental quanto no ensino médio.

Em âmbito municipal, Manaus também teve bom desempenho, atingindo a nota  4,3 nos Anos Finais. O resultado foi superior a meta de 3,8 determinada pelo Ministério da Educação (MEC) para a capital amazonense. A projeção do MEC era que a rede alcançasse esse resultado apenas em 2019. Nesta faixa, a maioria das unidades da Federação ficou abaixo do esperado. Apenas os estados de Pernambuco, Amazonas, Mato Grosso, Ceará e Goiás conseguiram bons resultados.

Informações: Cefort 3305-1181 – Ramal 2010

ACESSO RÁPIDO