Ufam e Universidade Estadual de Nova Iorque iniciam negociações para fechar parceria

A ARII já possui 27 parcerias nacionais e outras 23 com instituições estrangeiras, com destaque para aquelas sediadas em Portugal, na Espanha e na França

Pró-reitor de Relações Internacionais da Suny, professor dr. Bruce Sillner e assessora da Arii, professora dra. Lêda BrasilPró-reitor de Relações Internacionais da Suny, professor dr. Bruce Sillner e assessora da Arii, professora dra. Lêda Brasil

Ampliar os horizontes de aprendizado e atuação de estudantes e docentes da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) no ensino, na pesquisa, na extensão ou na inovação. Esse é um dos propósitos de uma parceria que começa a ser fortalecida entre a Ufam e a State University of New York (Suny), a maior instituição pública de ensino superior do Mundo. A Assessoria de Relações Internacionais e Interinstitucionais (ARII) é a responsável pelo acordo.

Assista ao vídeo institucional e conheça a Suny New Paltz.

“Entre as áreas de formação e pesquisa da Instituição Estadual Americana, podemos destacar as áreas de Educação, Tecnologia, Artes e Estudos Latinoamericanos”, enfatiza a titular da ARII, professora Leda Brasil. Também têm destaque os estudos em Design, Linguagens, Saúde Mental, Negócios, Internacionais, Engenharia e Meio Ambiente. A parceria científica é nosso enfoque, porque permite que as iniciativas sejam institucionalizadas por meio da ARII.

Segundo informa a assessora, Língua Portuguesa é uma disciplina ofertada pela Suny. A Federal do Amazonas é a segunda instituição da América Latina a firmar parceria com a Estadual de Nova Iorque, depois da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).  “Eles são diretivos, por isso, o acordo deve contemplar áreas específicas, alinhando os objetivos comuns. Com certeza, nós nunca tivemos uma parceria desse calibre”, comemora.

“A oferta do Português é uma facilidade para os estudantes brasileiros”, complementa a assessora, ao informar que a Ufam tem uma programação para dar competência no segundo idioma à comunidade acadêmica, por meio do Centro de Ensino de Línguas (CEL), vinculado à Faculdade de Letras (Flet), cujos preços são bastante acessíveis. Um dos requisitos para cursar graduação ou pós na Suny é possuir conhecimento de inglês fluente.

Reunião

Assessora da Arii, professora dra. Leda Brasil, em frente à State University of New York (Suny)Assessora da Arii, professora dra. Leda Brasil, em frente à State University of New York (Suny)

Em reunião ocorrida no dia 24 de agosto, além da participação de coordenadores de PPGs e da pró-reitora de Pesquisa e Pós-Graduação, professora Selma Baçal, os gestores das Pró-Reitorias de Extensão e de Inovação Tecnológica, professores Ricardo Bessa e Waltair Machado. “Ampliar as relações internacionais proporciona melhores avaliações da Capes [Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior]. Nenhum Programa chega ao conceito 5 sem potencializar esse vetor”, ponderou a pró-reitora.

O próximo passo, segundo ela, é chamar grupos de pesquisa e os comitês científicos do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) para reunião onde podem definir as melhores estratégias de aproximação com a Suny. O Programa de Apoio à Consolidação e ao Avanço da Qualidade da Pós-Graduação da Ufam (PAC-PG) também tem enfoque na internacionalização das atividades.

Por outro lado, o pró-reitor de Extensão, professor Ricardo Bessa, frisou a troca de ideias e possibilidades para sensibilizar as universidades de países como os EUA. “Nossa contrapartida poderá ser no viés ambiental, por meio de projetos em que a Universidade seja promotora de ações de combate ao desmatamento, de conservação e coleta seletiva”, ressaltou. O Programa de Estágio Social Curricular (Pesc), similar ao Projeto Rondon, foi apresentado pelo docente.

Por sua vez, ao comentar sobre o significado da Inovação Tecnológica, o pró-reitor, professor Waltair Machado, exortou: “se existe algo pronto, nos inspiramos nisso e buscamos melhorias. O acaso não beneficia, a não ser uma mente preparada”. Assim, foi um dos entusiastas acerca das oportunidades que se abrem com essa parceria. “É preciso haver uma troca de ideias, de conhecimento, tudo isso para além da formalidade do ‘acordo’”, concluiu.

Perspectivas

Após firmar o acordo com todos os trâmites jurídicos indispensáveis, o que leva cerca de três meses, a Ufam já pretende iniciar a seleção de discentes e docentes. “Um dos nossos objetivos é fortalecer a mobilidade in e out, recebendo e enviando estudantes da Graduação e da Pós-Graduação, fato pelo qual estamos reunindo os coordenadores dos PPGs para discutir as sugestões para parcerias científicas e publicações”, ressalta a professora Leda Brasil.

Segundo ela, para formar a parceria, é necessário escrever a minuta, colher as assinaturas dos reitores, enviar e receber toda a documentação exigida e submeter o Acordo para a revisão da Procuradoria Federal junto à FUA. A previsão é de que já no primeiro semestre de 2018 sejam lançados os primeiros editais. No caso da Pós-Graduação, por exemplo, a Ufam fará uma pré-seleção para a escolha do orientador lá na Suny. Havendo disponibilidade, o pesquisador irá desenvolver sua pesquisa de mestrado ou doutorado nos Estados Unidos.

 

Clique e confira mais informações sobre a instituição parceira